PERNAMBUCO E SUA REVOLUÇÃO CERVEJEIRA


Não precisa ser nenhum “expert” em cervejas para saber que algo acontece nas prateleiras dos mercados locais antes destinadas às cervejas comerciais. Rótulos novos, estilos antes nunca vistos por aqui, enfim, uma variedade de tamanhos, estilos e preços que atraem os olhares mais curiosos.

Mas, será que estamos realmente vivenciando uma revolução cervejeira? A resposta é sim! Dados apontam que o mercado de cervejas artesanais no Brasil cresce bem acima de muitos setores da indústria, chegando à 30-40% ao ano.

E Pernambuco, com sua vontade de sempre estar à frente, puxa o crescimento no setor na região Nordeste. Num período de 1 ano e meio, 8 cervejarias surgiram oferecendo novas opções ao mercado local. E para dar vazão aos produtos, lojas especializadas, empórios, supermercados e restaurantes aderiram à demanda e surgem freneticamente por todos os pontos da cidade. Ao mesmo tempo que eventos ligados ao consumo destas são realizados pelo menos 2 vezes ao mês em ruas e food parks.

A excelente notícia é que esse fenômeno não se trata de “moda”, o mesmo foi observado em outros países que iniciaram suas mudanças de hábito de consumo e que até então permanecem fortes e continuam crescendo exponencialmente no consumo de cervejas artesanais. Porém, para que o mercado siga essa tendência de crescimento, é preciso que o governo e órgãos reguladores “conversem” melhor com as micro cervejarias e fornecedores de insumos para que os preços fiquem mais competitivos e atraentes aos olhos dos consumidores. Assim como acontece lá fora.

Enquanto isso, os fomentadores do mercado se sentem cada vez mais interessados em aprender e difundir a cultura cervejeira, se aprimorando, especializando e conhecendo outros cenários para que possam trazer novidades e manter as vendas a todo vapor. Cursos de produção artesanal, Sommelier de cervejas e técnicas de venda aparecem para que isso torne o setor mais profissional e competente quando o produto final é apresentado ao cliente.

Se você se pergunta o que pode fazer para ajudar esse crescimento no setor, eu diria que abrir uma boa breja local, bater um papo com a pessoa ao lado sobre o que estão bebendo no momento e difundir o consumo consciente seguindo a máxima do “Beba menos, beba melhor”. Afinal se observarmos quem é o grande ganhador disso tudo, só existirá uma resposta: nós, consumidores curiosos, interessados e com sede de cerveja de qualidade!!


Ein Prosit!

Por: Marco Uchôa
Sommelier de Cervejas Doemens e Academia Barbante de Cerveja e empresário do setor cervejeiro.

ACADEMIA BARBANTE DE CERVEJA